Contact Us

Use o formulário à direita para nos contactar.


São Paulo

The Coffee Traveler by Ensei Neto

MISCELÂNEA

Você ainda vai torrar o seu próprio café...

Ensei Neto

Bandeja de resfriamento.

Bandeja de resfriamento.

Tudo começa com uma xícara de café bacana, que, por algum motivo especial, se tornou inesquecível para você.
Um aroma marcante, exótico ou que simplesmente lhe remete a um momento de aconchego. Um sabor que trouxe lembranças de tardes com alguém especial ou de um lugar que lhe proporcionou uma experiência muito boa. 
Não importa o motivo, mas sim o fato de que aquele café foi importante em sua vida.

O café desperta paixão à medida que você se interessa mais por ele. É como "amor ao primeiro gole"...  Enfeitiça, lhe prende, mas de forma sublime.
A descoberta de que existem centenas de milhares de produtores de café ao redor do mundo, cada qual produzindo lotes ou micro lotes (isso, na verdade, não é importante!) que estimulam nosso paladar pela riqueza de sabores ou porque é simplesmente elegante, fácil de beber, aguçam nossa curiosidade por saber mais sobre como foi produzido, onde e por quem.

À medida que seu interesse pela bebida cresce, há um desejo natural de também torrar um lote de café ao seu jeito. Afinal, assim como acontece na cozinha, num prosaico fogão, a arte de torrar café é acessível a quem quiser!
Não se deixe enganar por teorias inexplicáveis sobre os fantásticos fenômenos da torra do café, mas que sob a luz da Ciência se tornam apenas lógicas. Por exemplo, preparar um bom e clássico "ovo perfeito", que é aquele com a clara consistente e a gema untuosamente fluida, é perfeito apenas para quem gosta desse jeito. Portanto, para cada um bico, um gosto!
É óbvio que existem regras científicas que devem ser seguidas para que se alcance um resultado que seja expressivamente saboroso, mas que se mostram simples depois de desvendadas...
Da mesma forma, os apetrechos para você se iniciar nessa arte não precisam ser sofisticados; bastam ser como estes clássicos torradores domésticos, que você pode ver na foto abaixo:

À esquerda temos uma panela de ferro com um mexedor, semelhante a uma pipoqueira, enquanto que à direita, um bom e conhecido "Bola", que ainda é muito comum entre os cafeicultores e até pessoas que simplesmente gostam de torrar seu próprio café interior do Brasil afora...

Existem outros tipos de torradores domésticos, alguns que lembram um secador de cabelo com o fluxo de ar na vertical, conhecidos como "Air Roasters", enquanto que outros, como o Behmor  (http://behmor.com/behmor-1600-plus/), que lembra um pequeno forno de cozinha, prometem mais recursos tecnológicos.
No entanto, quem vem promovendo verdadeira revolução na concepção de novas máquinas de torra domésticas é o designer chinês que se auto denomina Zhou Buyi, de Hangzhou. 
Talentoso, tem duas criações que são primorosamente minimalistas, como este primeiro projeto:

Torrador de Café Doméstico, de Zhou Buyi.

Torrador de Café Doméstico, de Zhou Buyi.

Suas linhas são belíssimas, garantidas pela simetria que pode ser observada pela vista de topo (à direita). De um lado, um cilindro que é a chaminé ou o sistema de exaustão dos gases de combustão, enquanto que do lado oposto, fica a moega de alimentação, na parte superior, e a bandeja de resfriamento, embaixo. 

Outro torrador doméstico de café, de Zhou Buyi.

Outro torrador doméstico de café, de Zhou Buyi.

Este outro torrador tem também um design magnífico, réplica miniaturizada e aperfeiçoada de um industrial. À direita, em vista explodida, é possível ver que funciona com 3 resistências.
Segundo o Companheiro de Viagem e coffee geek de plantão Luis Laimer, esse equipamento é eficiente tanto na transmissão de calor como no baixo consumo de energia elétrica, em torno de 2.400w.
Pois é, depois de ver esses incríveis gadgets, certamente você vai querer torrar o seu próprio café... 

 

A primeira xícara...

Ensei Neto

Por natureza, somos supersticiosos.
O calendário, por exemplo, é uma invenção genial, pois nos permite pensar em tudo aquilo que não pudemos ou deixamos de fazer no ano que passou e que pode ser feito no ano novo. O que seria uma simples convenção temporal, sincronizada com o tempo que nosso planeta leva para cumprir sua órbita em torno do Rei Sol, passa a ser uma nova oportunidade, como se  fosse um caderno que  ainda estivesse com suas folhas imaculadamente sem qualquer escrita.

Ipês em flor. Aquarela. Artista desconhecido.

Ipês em flor. Aquarela. Artista desconhecido.

Muita gente procura acertar todas as suas pendências nos últimos dias do ano, ganhando, dessa forma, a perspectiva de começar o novo sem qualquer resquício com o passado.
Se o ano foi particularmente sofrido, a contagem regressiva chega a ser angustiante para muitos, que gostariam muito que a chegada do primeiro dia do novo ano, que acena com gestos de esperança, pudesse se antecipar...
O ritual de passagem de ano é clássico: vestir roupas brancas (ou, ao menos, uma peça), comer lentilhas ou romãs (que simbolizam fartura e dinheiro no bolso), estourar o espumante no exato momento em que a contagem regressiva chegar à meia noite do primeiro dia do novo ano em sincronia com o festival de fogos de artifício que ilumina magicamente o céu. E caso você esteja na praia, pular sete ondas é infalível!

Folhas de louro, que simbolizam fartura no porta notas...

Folhas de louro, que simbolizam fartura no porta notas...

Quando criança, acordávamos cedo no dia primeiro de janeiro para ir até uma tia que recebia a todos com notas de dinheiro, ficando as mais graúdas para os primeiros. Obviamente era um artifício muito eficiente para fazer a molecada acordar cedo no “Dia Mundial da Preguiça”...

Um ritual que também tinha o significado de prosperidade (sinônimo de “dinheiro no bolso”) era o de ganhar folhas de louro e guardar na carteira, assim como nota de um dólar americano. Bem, com esta última, já era dinheiro mesmo!
Assim, as primeiras atividades do ano ou as resoluções de ano novo funcionam, para quem acredita ou faz automaticamente, como um indicativo de como serão os outros 364 ou 365 dias, como neste ano que é bissexto: mudanças, renovação ou, simplesmente, tentativas...

Desencane. Vale a pena relaxar e procurar fazer as coisas com prazer.
Na verdade, o importante é fazer de cada momento um momento único, aproveitando ao máximo do que ele pode lhe proporcionar.
or isso, que canecas com excelentes cafés, bem como tudo o que você escolher em cada momento deste 2016, sejam prenúncio de um ano de muito prazer!

Café supimpa numa caneca supimpa da Academia do Café, BH, MG.

Café supimpa numa caneca supimpa da Academia do Café, BH, MG.