Contact Us

Use o formulário à direita para nos contactar.


São Paulo

The Coffee Traveler by Ensei Neto

ORIGEM

A lenda da renovação da águia e o cafeeiro renovado

Ensei Neto

 Lavoura de 20 anos renovada pela técnica de "esqueletamento".

Lavoura de 20 anos renovada pela técnica de "esqueletamento".

Certamente você já deve ter lido ou assistido a uma palestra de auto ajuda conhecida como "A renovação da águia". 
Essa história comenta que a águia, ao chegar a uma certa idade e com os bicos já desgastados e com trincas, resolve se refugiar em montanhas onde inicia um processo de auto mutilação que passa pela retirada de suas penas uma a uma com o bico, a retirada de cada garra de seus pés e, finalmente, bate incessantemente contra a parede com seu bico até que ele se desprenda. Repousa como que hibernada por 150 dias para, então, ressurgir vigorosa e com seu corpo renovado, penas, garras e bico, partindo para o vôo de sua nova vida.

OK, é uma lenda, pois nenhum animal faz automutilação, a não ser que, segundo veterinários e biólogos, esteja acometido de alguma doença. Outro fato é saber como a água consegue sobreviver por 150 dias sem se alimentar ou saciar sua sede. Daí, simplesmente, se sabe que é outra "lenda urbana" ou, melhor, "lenda rural"...

Fora do mundo fantasioso, há um ritual muito semelhante praticado nas lavouras de café através de técnicas de poda que podem ser o Decote, a Poda Drástica ou até o Esqueletamento.

O cafeeiro é uma planta que, como se sabe, surgiu nas florestas dos planaltos da Ethiopia, acostumado com generosa sombra das grandes árvores, que proporciona um clima, digamos, aconchegante. 
No Brasil, desde o início de seu plantio ainda no Século XVIII, ganhou status de grande lavoura, estabelecendo um novo Ciclo Econômico tão pujante quanto foram o da Cana de Açúcar e do Ouro.

 Cafezal recém plantado.

Cafezal recém plantado.

Justamente pelo fato dos agricultores brasileiros estarem acostumados a lidar com monocultura em grandes extensões, atividade conhecida como "plantation", a cafeicultura rapidamente conquistou espaço, principalmente na hoje Região Sudeste. Diferentemente de sua origem no chamado Leste Africano, no Brasil as lavouras de café estão a pleno sol, ganhando, por isso, maior capacidade produtiva.
Os produtores rapidamente desenvolveram técnicas que tinham como objetivo aumentar a produtividade da lavoura, como, por exemplo, o plantio em linha. Nos Séculos XVIII e XIX todo o trabalho era feito por escravos vindos da África e uma das forma dos capatazes, bem como os Senhores do Café, conferirem se esses trabalhadores estavam em atividade foi realizar o plantio em linha no sentido "morro abaixo", ou seja, literalmente descendo os morros. Essa prática agrícola fez com que diversos terrenos perdessem rapidamente sua fertilidade devido à lixiviação, que é o arraste de parte da terra pela água das chuvas.

O tempo passou e novas práticas foram sendo desenvolvidas, melhorando não apenas a produtividade, mas, também, obter o melhor desempenho dessa árvores. 
Na cafeicultura moderna, as lavouras sofrem uma renovação que podem ser desde a substituição das plantas, quando um novo plantio é realizado, mas também através de técnicas de poda. 

O cafeeiro é uma árvore frutífera que produz somente nas partes novas de seus ramos, preferencialmente onde ainda o tecido externo não é lenhoso, que lembra a mesma textura do tronco. Portanto, é normal que os frutos fiquem na parte ainda verde dos ramos.
Conforme a árvore ganha idade e, portanto, passe por muitas safras, pode perder gradativamente sua capacidade produtiva em razão dos ramos tornarem-se muito longos, o que faz o processo de deslocamento da seiva menos eficiente.

 Tronco de cafeeiro podado e novo ponteiro despontando.

Tronco de cafeeiro podado e novo ponteiro despontando.

As novas técnicas de cultivo combinadas com variedades mais vigorosas têm permitido que as primeiras safras em grande escala aconteçam por volta dos 36 a 48 meses, a depender da região, mantendo elevada produção por 5 ou 6 anos. Ao final deste primeiro ciclo, geralmente é realizada operação conhecida por "decote", quando se corta a planta em altura equivalente a 2,00 m em média. Acredita-se que ao se lançarem novos ponteiros, força-se o crescimento dos ramos laterais.

Após um novo ciclo de 6 a 7 anos, é feita nova poda, que pode ser a uma altura menor no tronco, seguido do desbaste dos ramos laterais em operação conhecida por "esqueletamento", pois se tem a impressão de terem sobrados esqueletos de cafeeiros na lavoura...

 Cafezal que passou por processo de poda e esqueletamento.

Cafezal que passou por processo de poda e esqueletamento.

Contando 17 anos em média, quando entre 25 e 30 anos de cultivo as lavouras são efetivamente erradicadas para novo plantio, a alegoria com a lenda da renovação da águia se encaixa perfeitamente para o esqueletamento do cafeeiro.

O novo ponteiro e o conjunto renovado de ramos laterais proporcionam excelente capacidade de produção, pois novas partes não lenhosas se desenvolvem em profusão. Adicionalmente, há que se levar em conta que o sistema radicular é o de uma árvore adulta, portanto, com maior capacidade para buscar água profunda, bem como nutrientes. É como se uma uma mente de grande conhecimento e saber se alojasse num corpo jovem.

O resultado: excelente capacidade produtiva por um bom par de anos!
Ao menos isto não é lenda...            

 Os frutos do cafeeiro ocorrem em partes novas dos ramos.

Os frutos do cafeeiro ocorrem em partes novas dos ramos.